Artesanato

O artesanato é fortemente condicionado pelo paul de Arzila onde era obtida a matéria-prima para as esteiras – bunho e função. A matéria-prima era cortada durante os meses de Verão. Embora as esteiras, fossem feitas durante todo o ano era sobretudo no Inverno, quando o trabalho agrícola escasseava, que principalmente as mulheres, se dedicavam a manufactura destas, para a obtenção deste suplemento financeiro.
Embora em menor abundância, também o vime ou o salgueiro branco, também designado por salgueirinha, servia para a confecção de outras formas artesanais, como os cestos e poceiro mas também a rabuda, um instrumento característico do Baixo Mondego que servia para a pesca ao calção.
 
MEDICINA POPULAR
O recurso à medicina era escasso, dadas as dificuldades de acesso e os parcos recursos financeiros, de forma que havia sempre, nas aldeias, uma mulher em que o saber acumulado, adquirindo de forma empírica e transmitido de pais para filhos, resolva alguns problemas de saúde.
Quando os filhos se encontravam doentes, a mãe recorria a essa mulher para ver se o seu menino tinha bucho virado. Mas, se o mal e a dor de cabeça eram por vezes atribuídos a “mau olhado” e a “mal de inveja”, curavam o quebranto para o mal sair. Também surgem por vezes doenças como a “zona”, a que o povo chamava “cobrão”, e para o qual se recorria a técnicas tradicionais. Não só a cura destes males, também o desaparecimento de objectivos era motivo para fazer o responso, recorrendo a curandeiras, que imploravam o aparecimento do objecto perdido, rezando:
.
Santo António Gordiosos
Amigo de Jesus Cristo
Confessor de São Francisco
Em Lisboa foste nado
Entre as tábuas enterrado
Não morra a mulher de parto  
Nem menino abafado
Em honra de Santo António coroado
Finda a oração, terminava-se com um Pai-nosso, uma Ave-maria e uma Gloria.
.
Graças ao esforço colectivo, quer das diversas colectividades quer de todos os habitantes, são muitas as tradições, típicas de diversas alturas do ano, que se relembram e que continuam a passar de geração em geração.